O CUIDADO NA RECUPERAÇÃO DE DEPENDENTES QUÍMICOS NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO APEGO

Autores

  • Hartmut August Faculdade Fidelis Curitiba
  • Mariluce Emerim de Melo August Faculdade Fidelis

DOI:

https://doi.org/10.53546/2674-5593.cog.2021.60

Palavras-chave:

Teoria do Apego;, Apego a Deus, Doze Passos, Drogadição

Resumo

O número de vítimas das drogas não para de aumentar, ao passo que a prevenção e o tratamento continuam falhando em muitas partes do mundo. Um dos programas muito difundidos no tratamento de usuários de drogas e álcool são os Doze Passos, inicialmente desenvolvido pelos Alcoólicos Anônimos e posteriormente adaptado para outras dependências. A Teoria do Apego, inicialmente proposta por John Bowlby, enfatiza a importância de relações afetivas seguras como base para um desenvolvimento saudável. Diante desse cenário, esse estudo aponta para maneiras de utilizar os princípios da Teoria do Apego no programa dos Doze Passos. A questão de pesquisa consiste nas dificuldades das pessoas em recuperação em assimilar e incorporar os Doze Passos. A hipótese é de que essas dificuldades se relacionam com as diferentes experiências individuais com os vínculos familiares como expressados na Teoria de Apego. O objetivo geral é aplicar os conceitos da Teoria do Apego nas experiências de cuidado às pessoas em recuperação. Os dados para análise consistem em anotações de uma experiência da prática profissional no treinamento da equipe terapêutica de uma comunidade terapêutica no Estado do Paraná, aprofundados por pesquisa bibliográfica. A equipe terapêutica treinada compreende o estilo de apego da pessoa e pode proporcionar intervenções mais eficazes, apontando para apegos mais seguros na relação com Deus, consigo mesmo e com outras pessoas. 

Biografia do Autor

Hartmut August, Faculdade Fidelis Curitiba

Doutor e mestre em Teologia pela PUCPR. Concluiu o pós-doutorado em Teologia pela PUCPR. Bacharel em Teologia e Especialista em Ministério Pastoral pela Faculdade Fidelis. Docente da Faculdade Fidelis e da Faculdade de Teologia Evangélica (FATEV). hartmut.august@fidelis.edu.br.

Mariluce Emerim de Melo August, Faculdade Fidelis

Doutora e mestre em Teologia pela PUCPR. Bacharel em Teologia e Especialista em Ministério Pastoral e em Capelania e Cuidado Espiritual pela Faculdade Fidelis. Docente da Faculdade Fidelis e da Faculdade de Teologia Evangélica (FATEV). mariluce.august@fidelis.edu.br.

Referências

ABREU, C. N. DE. Teoria do apego: fundamentos, pesquisas e implicações clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

Alcoólicos anônimos do Brasil. Os doze passos. Disponível em: <https://www.aa.org.br/informacao-publica/principios-de-a-a/os-passos>. Acesso em: 19/11/2020.

ALLEN, J. G. Restoring mentalizing in attachment relationships: treating trauma with plain old therapy. 1st ed ed. Arlington, VA: American Psychiatric Pub., Inc, 2013.

AUGUST, H.; ESPERANDIO, M. R. G. Apego a Deus: revisão integrativa de literatura empírica. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 17, n. 53, p. 1039–1072, 31 ago. 2019.

AUGUST, H.; ESPERANDIO, M. R. G.; ESCUDERO, F. T. Brazilian Validation of the Attachment to God Inventory (IAD-Br). Religions, v. 9, n. 4, p. 21, 30 mar. 2018.

BOWLBY, J. A Secure Base: Parent-Child Attachment and Healthy Human Development. Reprint edition ed. New York: Basic Books, 1988.

BOWLBY, J. Apego e Perda: Apego. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002. v. 1

BOWLBY, J. Apego e Perda: Perda: Tristeza e Depressão. São Paulo: Martins Fontes, 2004a. v. 3

BOWLBY, J. Apego e Perda: Separação: Angústia e Raiva. São Paulo: Martins Fontes, 2004b. v. 2

ESPERANDIO, M. R. G.; AUGUST, H. Teoria do Apego e Comportamento Religioso. INTERAÇÕES, v. 9, n. 16, p. 243–265, 7 dez. 2014.

GILL, R. Struggling with abstinence. In: GILL, R. (Ed.). . Addictions From an Attachment Perspective. Londres: Karnac Books, 2014a.

GILL, R. Addictions From an Attachment Perspective. [s.l.] Karnac Books, 2014b.

GRANQVIST, P. et al. Disorganized attachment in infancy: A review of the phenomenon and its implications for clinicians and policy-makers. Attachment & Human Development, 11 jul. 2017.

HERMAN, J. L. Trauma and recovery. New York, NY, US: Basic Books, 1992.

KHANTZIAN, E. J. The Self-Medication Hypothesis and attachment theory: pathways for understanding and ameliorating addictive suffering. In: GILL, R. (Ed.). . Addictions From an Attachment Perspective. Londres: Karnac Books, 2014.

KIRKPATRICK, L. A. Attachment, evolution, and the psychology of religion. New York: Guilford Press, 2005.

MIKULINCER, M.; SHAVER, P. R. Attachment in adulthood: structure, dynamics, and change. New York: Guilford Press, 2010.

MOREIRA, H. et al. Assessing Adult Attachment Across Different Contexts: Validation of the Portuguese Version of the Experiences in Close Relationships–Relationship Structures Questionnaire. Journal of Personality Assessment, v. 97, n. 1, p. 22–30, 2 jan. 2015.

SCHNEIDER-HARPPRECHT, C. Teologia prática no contexto da América Latina. São Leopoldo: Sinodal : ASTE, 1998.

Downloads

Publicado

2021-08-26

Edição

Seção

Artigos