VÍNCULO AFETIVO, APRENDIZAGEM E AUTISMO:

REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO

Autores

  • Thiciane Pieczarka Faculdade Fidelis
  • Tiago Veiga Valdivieso

DOI:

https://doi.org/10.53546/2674-5593.cog.2021.52

Palavras-chave:

transtorno do espectro autista, vínculo afetivo, ensino-aprendizagem

Resumo

Objetiva-se discutir neste trabalho o papel do vínculo afetivo na relação professsor-aluno em processos de ensino-aprendizagem de estudantes com transtorno do espectro autista. Parte-se do pressuposto da importância da mediação do professor na construção do conhecimento. O processo ensino-aprendizagem é dialético e há a compreensão de que é necessário acreditar no potencial e nas habilidades que cada indivíduo possui e investir nisto. Realizou-se uma revisão narrativa sobre algumas perspectivas teóricas sobre a constituição do autismo, a psicologia do desenvolvimento e a aprendizagem. Foi possível verificar a importância de compreender a matriz afetiva na formação das dificuldades de interação social de indivíduos com autismo, bem como sua implicação nos processos de subjetivação, intersubjetividade e desenvolvimento cognitivo. Destaca-se também que a aprendizagem ocorre na interdependência entre processos cognitivos e emocionais, e que o estabelecimento e fortalecimento de um vínculo afetivo entre professor e aluno são capazes de promover o potencial de desenvolvimento, além de serem o fundamento para a construção de conhecimento. O que remete à percepção de que mais do que métodos e técnicas didático-pedagógicas que se tenha como referencial, se não for priorizada a relação dos sujeitos no processo educacional, problemas de aprendizagem e limitações no desenvolvimento podem surgir. A partir destas reflexões, admite-se que o estabelecimento do vínculo com o professor é sine qua non no processo de ensino-aprendizagem para o aluno autista.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BARON-COHEN, S. Social and Pragmatic Deficits in Autism: Cognitive or Affective. Journal of Autism and Developmental Disorder, v. 18, n. 3, p. 379–402, 1988.

BARON-COHEN, S.; LESLIE, A. M.; FRITH, U. Does the autistic child have a “theory of mind” ? Cognition, v. 21, n. 1, p. 37–46, 1985.

BEREOHFF, A. M. P. Autismo: uma história de conquistas. Em Aberto, Brasília, ano 13, n.60, p.11-24, out./dez. 1993.

BOSA, C. A. As Relações entre Autismo, Comportamento Social e Função Executiva. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14(2), p. 281-7, 2001.

BRAZÃO, J. C. C. A Implicação do Afeto na Psicologia do Desenvolvimento: uma Perspectiva Contemporânea. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília , v. 35, n. 2, p. 342-358, Jun 2015.

BRAZÃO, J. C. C.; RAUTER, C. M. B. Sintonia afetiva e intersubjetividade na obra de Daniel Stern. Ayvu Revista de Psicologia, v. 1, n. 1, p. 3-21, 2014.

CÁRDENAS, C. J.; ALMEIDA, S. F. C.. A afetividade e a subjetividade na construção do conhecimento. In: Escola Lacaniana de Psicanálise do Rio de Janeiro (Org.). Trata-se uma criança. Congresso Internacional de Psicanálise e suas conexões. Rio de Janeiro: Ed. Companhia de Freud, 1999, p. 83-7.

DAMÁSIO, A. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

FONSECA, V. da. Importância das emoções na aprendizagem: uma abordagem neuropsicopedagógica. Rev. Psicopedagogia, 33(102), p. 365-384, 2016.

FORDHAM, M. A criança como indivíduo. São Paulo: Cultrix, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GAUDERER, E C. Autismo e outros atrasos do Desenvolvimento: Uma atualização para os que atuam na área: do especialista aos pais. São Paulo: Sarvier, 1985.

HOBSON, R. P. The autistic child’s appraisal of expressions of emotion: a further study. Journal of Child Psychology and Psychiatry, and Allied Disciplines, v. 27, n. February, p. 671–680, 1986.

_____. Beyond cognition: A theory of autism. In: DAWSON, G. (ed.) Autism: Nature, diagnosis and treatment. New York: Guilford Press, 1989, p. 22-48.

_____. The cradle of thought. London: Macmillan, 2002.

_____. Explaining autism: Ten reasons to focus on the developing self. Autism: The International Journal of Research and Practice, v. 14, n. 5, p. 391–407, 2010.

JACOBY, M. Psicoterapia junguiana e a pesquisa contemporânea com crianças: padrões básicos de intercâmbio emocional. São Paulo: Paulus, 2010.

KANNER, L. Autistic Disturbances of Affective Contact. Nervous Child, 2, p. 217-250, 1943.

LESLIE, A. M. Pretense and representation: The origins of “theory of mind.” Psychological Review, v. 94, n. 4, p. 412–426, 1987.

_____. ‘Theory of mind’ as a mechanism of selective attention. In: GAZZANIGA, M. (ed.) The New Cognitive Neurosciences. Cambridge, MA: MIT Press, p. 1235–1247, 2000.

LESLIE, A. M.; FRITH, U. Autistic children’s understanding of seeing, knowing and believing. British Journal of Developmental Psychology, v. 6, n. 4, p. 315–324, 1988.

MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento. São Paulo: Palas Athena, 2001.

ORRÚ, S. E. Autismo, Linguagem e Educação: Interação social no cotidiano escolar. 2ª ed. Rio de Janeiro, 2009.

PIAGET, J. O nascimento da inteligência na criança. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

_____. A representação do mundo na criança. 1ªed. São Paulo: Idéias e Letras, 2005a.

_____. Inteligencia y afectividad. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005b.

RIVIÈRE, A. O Desenvolvimento e a educação da criança autista. In: COLL, C., PALACIOS, J., MARCHESI, A. (Org.) Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar (v. 3). Porto Alegre: Artes médicas, 1995, pp. 274-297.

_____. O autismo e os transtornos globais do desenvolvimento. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: Transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais (v. 3). Porto Alegre: Artmed, 2004, pp. 234-254.

ROSS, P. R. Conhecimento e aprendizado cooperativo na inclusão. Educar em Revista, n. 23, Curitiba: UFPR, p. 203-224, 2004.

SPITZ, R. O primeiro ano de vida. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

STERN, D. The Interpersonal World of the Infant. New York: Basic Books, 1985.

_____. O momento presente na psicoterapia e na vida cotidiana. Rio de Janeiro; Record, 2007.

TASSONI, E. C. M.; LEITE, S. A. S. Um estudo sobre emoções e sentimentos na aprendizagem escolar. Comunicações, v. 18, n. 2, p. 79-91, 2011.

TASSONI, E. C. M.; SANTOS, A. N. M. Afetividade, ensino e aprendizagem: um estudo no GT20 da ANPEd. Psicol. Esc. Educ., Maringá , v. 17, n. 1, p. 65-76, jun 2013.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_____. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1968.

WINNICOTT, D. W. O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

Downloads

Publicado

2021-08-26

Edição

Seção

Artigos