O BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS

Autores

  • Daniela Gomes de Mattos Pedroso Faculdade Fidelis
  • Mariana Teles de Lima do Nascimento Faculdade Fidelis
  • Natali Klayn Lucindo de Lima Faculdade Fidelis
  • Rosimar Gomes Borges Machado

DOI:

https://doi.org/10.53546/2674-5593.cog.2021.49

Palavras-chave:

Brincar. Aprendizagem. Educação Infantil.

Resumo

O presente estudo se dá em razão da necessidade de observar como o brincar está presente no processo de ensino aprendizagem na Rede Municipal de Ensino de Curitiba (RME) -PR. Tal análise justifica-se por se considerar imprescindível refletir acerca da importância das brincadeiras no cotidiano da educação infantil, enquanto recurso metodológico capaz de articular os conteúdos; além de entender a importância do brincar. Nesse sentido, este trabalho desenvolve-se por meio de pesquisa documental, pois esta permite que sejam utilizados dados e informações, e consiste em um rico complemento à pesquisa bibliográfica, permitindo avaliar determinados assuntos. Desse modo, esse estudo incidiu sobre a análise de três importantes documentos que regem a educação infantil da RME, no intuito de fornecer subsídio para melhor esclarecimento do tema proposto. Além de estabelecer relação entre o brincar, enquanto estratégia de ensino, e o aprimoramento do processo ensino aprendizagem da educação infantil, e identificar os benefícios das atividades desenvolvidas, através das brincadeiras com crianças da educação infantil. Assim, o presente estudo possui o objetivo de analisar como o brincar está presente no processo de ensino aprendizagem da Educação Infantil, na Rede Municipal de Ensino de Curitiba. Para tanto, foram utilizados pressupostos teóricos de Vygotsky, Brougere, Kishimoto, Oliveira, entre outros. Fazer uso de brincar enquanto metodologia de ensino consiste no aproveitamento da motivação natural das crianças, fato este, que finda em uma aprendizagem mais encantadora. 

Referências

AURELIO, O mini dicionário da língua portuguesa. 4a edição revista e ampliada do mini dicionário Aurélio. 7a impressão – Rio de Janeiro, 2002.

BARBOSA, A. P. M. LUDOTECA: um espaço lúdico. 2010. Disponível em: http://www.uel.br/ceca/pedagogia/pages/arquivos/ANA%20PAULO%20MONTOLEZI.pdf. Acesso em 30 de julho de 2020.

BISCOLI, I. Â. Atividade lúdica uma análise da produção acadêmica brasileira no período de 1995 a 2001. 2005. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

BRASIL. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/ 1996, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, 1998.

BRASIL, Lei nº 9.394/96. MEC, Brasília, 1996.

BROUGERE, G. Brinquedo e cultura. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

_______. Jogo e educação. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BRUNER, J. Juego, pensamiento e lenguage. in: Perspectivas, 16 (1) 1986 p. 79-86.

CAMPOS, M.M.; ROSEMBERG, F.; FERREIRA, I.M. A Constituição de 1988 e a educação de crianças pequenas. São Paulo: FDE, 1989.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, Vozes, 2008.

CERISARA, A. B. A produção acadêmica na área da educação infantil a partir da análise de pareceres sobre o Referencial Nacional da Educação Infantil: primeiras aproximações. IN: Educação infantil pós-LDB: rumos e desafios. Editora Autores Associados / UFSC / UFSCAR / UNICAMP: Campinas, 1999.

CURITIBA. Secretaria Municipal da Educação. Currículo da Educação Infantil: Diálogos com a BNCC. Curitiba: SME/ PMC, 2019.

CURITIBA. Secretaria Municipal da Educação. Diretrizes Curriculares para a Educação Municipal de Curitiba – vol. 2 Educação Infantil. SME/ PMC, 2006.

CURITIBA. Secretaria Municipal da Educação. Jogos de tabuleiro na educação infantil: uma aventura pelas trilhas da imaginação. Curitiba: SME/ PMC, 2016.

DIAS, E. A importância do lúdico no processo de ensino-aprendizagem na educação infantil. Revista Educação e Linguagem – Artigos – ISSN 1984 – 3437. Vol.7, nº1 (2013).

FARIA F., L. M. de. A legislação escolar como fonte para a História da Educação: uma tentativa de interpretação. In: ______. (org.). Educação, modernidade e civilização: fontes e perspectivas de análises para a história da educação oitocentista. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. p. 89-125.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. Coleção leitura. Paz e Terra, 2001, 17 ed.

FRIEDMANN, A. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 2004.

GUBA, E.G; LINCOLN, Y.S. Effective Evaluation. São Francisco, Jossey-Bass, 1981.

GUBA, E. G. (Ed.). (1990). The paradigm dialog. Newbury Park, CA: Sage

IPPUC. Equipamentos Urbanos. CMEI – Centro de Educação Infantil. Curitiba, IPPUC/Banco de dados, 2005.

KISHIMOTO. T. M. Brinquedo e brincadeira. In SANTOS, Santa Marli Pires dos Santos (org.) 4 ed. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis: vozes, 2000.

_______. O jogo e a educação infantil. In: ___(Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2011.

KRAMER, S. A infância e sua singularidade. In: BRASIL. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Brasília, DF, 2006. p. 19-21.

_______. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. Rio de Janeiro, Achiamé, 1984.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para quê? 6. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

_______. Organização e Gestão Escolar: Teoria e Pratica. 5 ed. Goiânia: Alternativa, 2004.

LUCKESI, C. C. (org) Educação e Ludicidade. Salvador UFBA/FACED, 2000.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MALUF, Â. C. M. Brincar: prazer e aprendizado. Petrópolis: Vozes, 2003.

MANTAGUTE, E. I. I. Educar a Infância: Estudos sobre as primeiras creches públicas da Rede Municipal de Educação de Curitiba (1977 -1986). Dissertação de Mestrado. Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

_______. "Não ficarão mais ao deus dará: já existem as creches”! História da Educação infantil em creches públicas de Curitiba: entre normas e práticas - 1977 a 2003. 2017. 316 p. Tese. (Linha História e Historiografia da Educação). Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2017.

OLIVEIRA, Z. M. R. A creche no Brasil: mapeamento de uma trajetória. Revista da Faculdade de Educação. São Paulo, 14(1), p. 43-52, jan./jun. 1988.

OLIVEIRA, V. B. de (Org.). O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

REGO, C. T. Vygotsky: Uma perspectiva sócio cultural da educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

SARMENTO, M. J. (2003). As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In SARMENTO, Manuel Jacinto; CERISARA, Ana Beatriz (Orgs.), Crianças e miúdos. Perspectivas sociopedagógicas da infância e educação (p. 9-34). Porto: Asa.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico Crítica: Primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2000.

SCHIMITZ, R. M. de C. Experiências sociais de crianças que vivem em uma comunidade de fumicultores. Tese (Doutorado). Irati: [s.n], 2015.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

_______. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: Vigotski LS, Leontiev NA, Luria AR. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, USP; 1988. p.103-17.

_______. papel do brinquedo no desenvolvimento. In: A Formação Social da Mente. São Paulo. Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2021-08-26

Edição

Seção

Artigos